Vacina do COVID 19 em gestantes


A vacinação é uma escolha pessoal. Qualquer uma das vacinas COVID-19 atualmente autorizadas pode ser oferecida a pessoas que estão grávidas ou amamentando. Se você tiver dúvidas sobre como ser vacinado, uma conversa com seu médico pode ajudar, mas não é obrigatória.


Gestantes apresentam risco aumentado de doenças graves devido ao COVID-19

A vacina contra COVID 19 disponibilizada pelas unidades do Ministério da Saúde do Município do Rio de Janeiro, poderá ser aplicada às gestantes/puérperas/lactantes mais vulneráveis (condições que aumentam o risco de desenvolvimento da forma grave da infecção pelo novo coronavirus SARS-CoV-2 e ou em caso de exposição frequente e/ou alto risco de contágio), mediante avaliação médica criteriosa quando os riscos e benefícios em relação ao seu uso, e mediante a aceitação da mulher. Desta forma, a vacinação não se estenderá a todas as gestantes/puérperas/lactantes, como indicação formal, apenas em situações especiais;


Quais são as gestantes devem receber a vacina do COVID 19 como grupo prioritário?


  • Receptoras de transplante de órgão sólido;

  • Portadoras de problemas respiratórios graves (incluindo fibrose cística e asma grave);

  • Portadoras de anemia falciforme (homozigotica);

  • Usuária de terapia de imunosupressão;

  • Portadoras de doença renal crônica (estágio 5) ou que necessitem de diálise;

  • Portadoras de doença cardíaca significativa congênita ou adquirida;

  • Atuantes da linha de frente de assistência a pessoa com COVID 19

  • Idade > 35 anos;

  • Obesidade;

  • Portadoras de diabetes (preexistente)

  • Hipertensão crônica.


A mulher deverá ser orientada que até o presente momento não há estudos em gestantes/puérperas/lactantes, ou seja, não ha avaliação e comprovação quanto a sua eficácia, tão pouco observância sobre os eventos adversos para saúde da mulher e do concepto.



Gestantes apresentam risco aumentado de doenças graves devido ao COVID-19


Embora o risco geral de doenças graves seja baixo, as mulheres grávidas correm um risco maior de doenças graves devido ao COVID-19 em comparação com as não grávidas. Doença grave inclui enfermidades que resultam em internação em terapia intensiva, ventilação mecânica ou morte. Além disso, as grávidas com COVID-19 podem estar em maior risco de resultados adversos da gravidez, como parto prematuro, em comparação com mulheres grávidas sem COVID-19.



Quais são os tipos de vacina de COVID 19? Como elas funcionam?


Cientistas de todo o mundo estão desenvolvendo muitas vacinas potenciais para COVID-19. Todas essas vacinas são projetadas para ensinar o sistema imunológico do corpo a reconhecer e bloquear com segurança o vírus que causa COVID-19.


Existem três tipos de vacina. Suas diferenças residem no fato de usarem um vírus ou bactéria inteiro ; apenas as partes do germe que ativam o sistema imunológico; ou apenas o material genético que fornece as instruções para fazer proteínas específicas e não o vírus inteiro. Vários tipos diferentes de vacinas potenciais para COVID-19 estão em desenvolvimento, incluindo:


Vacina inativada

A primeira maneira de fazer uma vacina é pegar o vírus ou bactéria que carrega a doença, ou um muito semelhante a ele, e inativá-lo ou matá-lo usando produtos químicos, calor ou radiação. Essa abordagem usa tecnologia comprovadamente eficaz em pessoas - é assim que as vacinas contra a gripe e a pólio são feitas - e as vacinas podem ser fabricadas em uma escala razoável.


Vacina viva atenuada

Uma vacina viva atenuada usa uma versão viva, mas enfraquecida, do vírus ou uma que seja muito semelhante. A vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR) e a vacina contra varicela e herpes zoster são exemplos desse tipo de vacina. Essa abordagem usa tecnologia semelhante à vacina inativada e pode ser fabricada em grande escala. No entanto, vacinas como essa podem não ser adequadas para pessoas com sistema imunológico comprometido.


Vacina de vetor viral

Este tipo de vacina usa um vírus seguro para entregar subpartes específicas - chamadas proteínas - do germe de interesse para que possa desencadear uma resposta imunológica sem causar doenças. Para fazer isso, as instruções para fazer partes específicas do patógeno de interesse são inseridas em um vírus seguro. O vírus seguro serve então como uma plataforma ou vetor para entregar a proteína ao corpo. A proteína desencadeia a resposta imunológica. A vacina do Ebola é uma vacina de vetor viral e este tipo pode ser desenvolvido rapidamente.


A abordagem da subunidade

Uma vacina de subunidade é aquela que usa apenas as partes muito específicas (as subunidades) de um vírus ou bactéria que o sistema imunológico precisa reconhecer. Não contém o micróbio inteiro nem usa um vírus seguro como vetor. As subunidades podem ser proteínas ou açúcares. A maioria das vacinas do calendário infantil são vacinas de subunidade, protegendo as pessoas de doenças como coqueluche, tétano, difteria e meningite meningocócica.


A abordagem genética (vacina de ácido nucleico)

Ao contrário das abordagens de vacinas que usam um micróbio inteiro enfraquecido ou morto ou partes de um, uma vacina de ácido nucleico usa apenas uma seção de material genético que fornece as instruções para proteínas específicas, não o micróbio inteiro. DNA e RNA são as instruções que nossas células usam para produzir proteínas. Em nossas células, o DNA é primeiro transformado em RNA mensageiro, que é então usado como o projeto para fazer proteínas específicas.



Dados limitados estão disponíveis sobre a segurança das vacinas COVID-19 para pessoas que estão grávidas


Com base em como essas vacinas atuam no corpo, os especialistas acreditam que é improvável que representem um risco específico para as pessoas que estão grávidas. No entanto, atualmente existem dados limitados sobre a segurança das vacinas COVID-19 em mulheres grávidas.


Os ensaios clínicos que examinam a segurança e quão bem as vacinas COVID-19 funcionam em mulheres grávidas estão em andamento ou planejados. Os fabricantes de vacinas também estão monitorando dados de pessoas nos ensaios clínicos que receberam a vacina e engravidaram.


Estudos em animais que receberam a vacina Moderna , Pfizer-BioNTech ou Johnson & Johnson's Janssen (J & J / Janssen) COVID-19 antes ou durante a gravidez não encontraram problemas de segurança.

O CDC e a Federal Drug Administration (FDA) possuem sistemas de monitoramento de segurança para coletar informações sobre a vacinação durante a gravidez e monitorarão de perto essas informações. A maioria das gestações nesses sistemas está em andamento, então ainda não temos informações sobre os resultados dessas gestações. Precisamos continuar acompanhando as gestações de longo prazo para compreender os efeitos na gravidez e nos bebês.


As vacinas Moderna e Pfizer-BioNTech são vacinas de mRNA que não contêm o vírus vivo que causa COVID-19 e, portanto, não podem dar a alguém COVID-19. Além disso, as vacinas de mRNA não interagem com o DNA de uma pessoa nem causam alterações genéticas porque o mRNA não entra no núcleo da célula, que é onde o nosso DNA é guardado.


A vacina Johnson & Johnson's Janssen COVID-19 e a Oxford-Astra Zeneca são vacinas de vetor viral, o que significa que usa uma versão modificada de um vírus diferente (o vetor) para fornecer instruções importantes às nossas células. A tecnologia de vetor viral tem sido usada pela Janssen para outros programas de desenvolvimento de vacinas. As vacinas que usam o mesmo vetor viral foram administradas a grávidas em todos os trimestres da gravidez, inclusive em um ensaio de vacinação contra o Ebola em grande escala. Nenhum resultado adverso relacionado à gravidez, incluindo resultados adversos que afetaram o bebê, foi associado à vacinação nesses estudos.


A vacina Sinovac (Coronavac) usa vírus inativados, ou seja, que foram expostos em laboratório a calor e produtos químicos para não serem capazes de se reproduzir. Por isso, eles não conseguem nos deixar doentes, mas isso é suficiente para gerar uma resposta imune e criar no nosso organismo uma memória de como nos defender contra uma ameaça.


Se você estiver grávida e receber uma vacina COVID-19, considere participar do registro de gravidez segura v Se você está grávida e recebeu uma vacina COVID-19, recomendamos que você se inscreva no v-safe . V-safe é a ferramenta baseada em smartphone do CDC que usa mensagens de texto e pesquisas na web para fornecer check-ins de saúde personalizados após a vacinação. Um registro de gravidez segura v foi estabelecido para coletar informações sobre a saúde de gestantes que receberam a vacina COVID-19. Se as pessoas inscritas no v-safe informarem que estavam grávidas no momento da vacinação ou após a vacinação, a equipe de registro pode contatá-las para saber mais. A participação é voluntária e os participantes podem cancelar a qualquer momento .


Quais os benefícios de ser vacinado?


As vacinas COVID-19 produzem proteção contra a doença, como resultado do desenvolvimento de uma resposta imune ao vírus SARS-Cov-2. O desenvolvimento da imunidade por meio da vacinação significa que há um risco reduzido de desenvolver a doença e suas consequências. Esta imunidade ajuda a combater o vírus se exposto. Ser vacinado também pode proteger as pessoas ao seu redor, porque se você estiver protegido contra infecções e doenças, é menos provável que você infecte outras pessoas. Isso é particularmente importante para proteger as pessoas com maior risco de doenças graves causadas pelo COVID-19, como profissionais de saúde, adultos mais velhos ou idosos e pessoas com outras condições médicas.


Podemos parar de tomar as precauções depois de ser vacinado?

A vacinação protege você de adoecer gravemente e morrer de COVID-19. Nos primeiros quatorze dias após a vacinação, você não tem níveis significativos de proteção, então ela aumenta gradualmente. Para uma vacina de dose única, a imunidade geralmente ocorrerá duas semanas após a vacinação. Para vacinas de duas doses, ambas as doses são necessárias para atingir o nível mais alto da melhor imunidade possível.

Embora uma vacina COVID-19 o proteja de doenças graves e morte, ainda não sabemos até que ponto ela o impede de ser infectado e transmitir o vírus a outras pessoas. Para ajudar a manter os outros seguros, continue a:

* manter uma distância de pelo menos 1 metro dos outros,

* cubra uma tosse ou espirro no cotovelo,

* limpe as mãos com frequência e use uma máscara, especialmente em espaços fechados, lotados ou mal ventilados.

Sempre siga as orientações das autoridades locais com base na situação e risco onde você mora.



Ser vacinado é uma escolha pessoal


Se estiver grávida, você pode optar por receber uma vacina COVID-19. Você pode querer conversar com seu médico para ajudá-lo a decidir se deve ser vacinado com uma vacina que foi autorizada para uso sob a Autorização para Uso de Emergência . Embora uma conversa com seu médico possa ser útil, não é necessária antes da vacinação.

As principais considerações que você pode discutir com seu provedor de saúde incluem:

Qual a probabilidade de você ser exposto ao vírus que causa COVID-19

Riscos do COVID-19 para você e os riscos potenciais para o seu feto ou bebê

O que se sabe sobre a vacina:

quão bem funciona para desenvolver proteção no corpo

efeitos colaterais conhecidos da vacina

dados limitados sobre a segurança de COVID-19 durante a gravidez, porque não foi estudado entre mulheres grávidas.

Siga as recomendações para prevenir a propagação de COVID-19 após a vacinação


Se estiver grávida e decidir ser vacinada, depois de ter sido totalmente vacinada contra COVID-19, você poderá começar a fazer algumas coisas que parou por causa da pandemia. Saiba mais sobre o que você pode fazer quando estiver totalmente vacinado .


Efeitos colaterais da vacina


Os efeitos colaterais podem ocorrer após o recebimento de qualquer uma das vacinas COVID-19 disponíveis, especialmente após a segunda dose para aquelas que requerem duas doses. As mulheres grávidas não relataram efeitos colaterais diferentes de pessoas não grávidas após a vacinação com vacinas de mRNA (vacinas Moderna e Pfizer-BioNTech). Se você tiver febre após a vacinação, deve tomar paracetamol porque a febre foi associada a resultados adversos na gravidez.

Algumas pessoas tiveram reações alérgicas após receberem a vacina COVID-19. Fale com o seu médico se você tiver histórico de reação alérgica grave (anafilaxia) a qualquer outra vacina ou terapia injetável (intramuscular, intravenosa ou subcutânea).

As principais considerações que você pode discutir com seu médico são:

* Os riscos desconhecidos de desenvolver uma reação alérgica grave

* Os benefícios da vacinação

* Se você tiver uma reação alérgica após receber a vacina COVID-19 durante a gravidez, pode receber tratamento para ela.


Pessoas que estão amamentando


Os ensaios clínicos para as vacinas COVID-19 atualmente autorizadas para uso sob uma Autorização de Uso de Emergência nos Estados Unidos não incluíram pessoas que estão amamentando. Uma vez que as vacinas não foram estudadas em lactantes, não existem dados disponíveis sobre:

A segurança das vacinas COVID-19 em lactantes

Os efeitos da vacinação no bebê amamentado

Os efeitos na produção ou excreção de leite

As vacinas COVID-19 autorizadas agora são vacinas não replicantes, o que significa que são capazes de criar uma resposta imune, mas não se reproduzem dentro das células hospedeiras. Como as vacinas não replicantes não apresentam risco para lactantes ou seus bebês, as vacinas COVID-19 também não são consideradas um risco para o lactente. Portanto, as pessoas que amamentam podem escolher ser vacinadas.


Pessoas que gostariam de ter um bebê


Se você está tentando engravidar agora ou deseja engravidar no futuro, você pode receber uma vacina COVID-19 quando uma estiver disponível para você.

Atualmente não há evidências de que quaisquer vacinas, incluindo vacinas COVID-19, causem problemas de fertilidade. O CDC não recomenda o teste de gravidez de rotina antes da vacinação com COVID-19. Se você está tentando engravidar, não precisa evitar a gravidez após receber a vacina COVID-19. Como todas as vacinas, os cientistas estão estudando as vacinas COVID-19 cuidadosamente para os efeitos colaterais agora e irão relatar os resultados assim que estiverem disponíveis.

Posts recentes

Ver tudo

Estrias na gravidez

As estrias são um incômodo comum durante a gravidez. As estrias se desenvolvem em nove entre dez gestações, geralmente no sexto ou sétimo mês. Essas estrias rosadas ao redor dos estômagos, seios ou qu

Parto normal após uma cesariana

Se você já fez uma cesariana, pode ter seu próximo bebê por via vaginal. Isso é chamado de parto vaginal após cesariana (também chamado de VBAC). Você poderá fazer um VBAC se sua gravidez for saudável

BOA FORMA NA GRAVIDEZ.png
101ReceitasdePapinhas_Imagem001_Anuncio_