top of page
  • Dra Flavia do Vale

Como fazer o Doppler do ducto venoso

Qual é a técnica apropriada para obter formas de onda Doppler venosas fetais?


  • O ducto venoso (DV) conecta a porção intra-abdominal da veia umbilical à porção esquerda da veia cava inferior, logo abaixo do diafragma.

  • O vaso é identificado pela visualização dessa conexão por imagem 2D, seja no plano longitudinal médio-sagital do tronco fetal ou no plano transversal oblíquo através do abdome superior.

  • O mapeamento de fluxo colorido demonstrando a alta velocidade na entrada estreita do DV confirma sua identificação e indica o local de amostragem padrão para medições Doppler.

  • A medição Doppler é melhor obtida no plano sagital do abdome fetal inferior anterior, uma vez que o alinhamento com o istmo ductal pode ser bem controlado.

  • A insonação sagital pelo tórax também é uma boa opção, porém mais exigente. Uma seção oblíqua fornece acesso razoável para uma insonação anterior ou posterior, produzindo formas de onda robustas, mas com menos controle de ângulo e velocidades absolutas.

  • No início da gravidez e em gestações comprometidas, cuidados especiais devem ser tomados para reduzir o volume da amostra adequadamente, a fim de garantir um registro limpo da menor velocidade durante a contração atrial.

  • A forma de onda é geralmente trifásica, mas registros bifásicos e não pulsáteis, embora mais raros, podem ser vistos em fetos saudáveis .

  • As velocidades são relativamente altas, entre 55 e 90 cm/s, durante a maior parte da segunda metade da gestação, mas são menores no início da gestação.




  • Registro do Doppler do ducto venoso com insonação sagital alinhando a porção ístmica, sem correção de ângulo. O filtro de parede do vaso de baixa velocidade (seta) não interfere na onda a ( a ), que está longe da linha zero.

  • Uma alta velocidade de varredura permite a visualização detalhada da variação de velocidade.




  • Gravação do ducto venoso mostrando pulsatilidade aumentada em 36 semanas. A interferência, incluindo ruído altamente ecogênico ao longo da linha zero, dificulta a verificação do componente reverso durante a contração atrial (setas). (b) Uma gravação repetida com filtro de parede do vaso de baixa velocidade ligeiramente aumentado (seta) melhora a qualidade e permite a visualização clara do componente de velocidade reversa durante a contração atrial (setas).


Quais índices devem ser usados?


  • A relação S/D, RI e PI são os três índices mais conhecidos para descrever formas de onda de velocidade de fluxo arterial.

  • Todos os três são altamente correlacionados. A relação RI e S/D estima a relação entre PSV e EDV na forma de onda Doppler (RI = (S − D)/S, relação S/D = S/D, onde S é a velocidade sistólica de pico e D é a velocidade diastólica final ).

  • O PI leva em consideração o PSV, o EDV e a média de tempo da mudança de frequência máxima ao longo do ciclo cardíaco (PI = (S − D)/TAMX, onde S é a velocidade sistólica de pico, D é a velocidade diastólica final e TAMX é a velocidade máxima registrada no MVE em média durante o ciclo cardíaco;

  • TAMX não deve ser confundido com a velocidade média ponderada pela intensidade no tempo (TAV ou Vm)).

  • Em formas de onda Doppler mostrando alterações dinâmicas nos componentes sistólico ou diastólico (ou seja, no caso de forma de onda da artéria uterina com presença de entalhe, ou EDV reverso na forma de onda da artéria umbilical), PI fornece uma estimativa melhor das características da forma de onda do que RI ou relação S/D.

  • O PI mostra uma correlação linear com a resistência vascular, ao contrário da relação S/D e do IR, que mostram uma relação parabólica com o aumento da resistência vascular . Além disso, o PI não se aproxima do infinito quando há valores diastólicos ausentes ou invertidos. IP é o índice recomendado para uso na prática clínica e pesquisa. (PONTO DE BOA PRÁTICA)

Atualmente, não há evidências de alto nível para indicar como a RCP ou a UCR devem ser utilizadas no manejo clínico.


Dois índices são descritos para análise Doppler de onda pulsada das veias. O mais utilizado é o índice de pulsatilidade para veias (PIV).


Isso é calculado como PIV = (Vs − Va)/TAMX, onde Vs é a velocidade máxima de avanço durante a sístole ventricular e Va é a menor velocidade de avanço ou pico de velocidade reversa durante a contração atrial (a 'onda a').

O índice de velocidade de pico para veias (PVIV) é relatado com menos frequência e não é apresentado na maioria dos pacotes de medição automática. O PVIV é calculado como (Vs − Va)/Vd, onde Vd é a velocidade máxima de avanço durante a contração atrial (diástole). O uso de PIV é recomendado na prática clínica. (PONTO DE BOA PRÁTICA)






Posts recentes

Ver tudo

Sequestro pulmonar fetal

O sequestro pulmonar fetal é uma malformação congênita rara em que uma parte do tecido pulmonar não se conecta ao sistema respiratório normal e recebe suprimento sanguíneo de uma artéria anômala. Após

Por que grávida sente cansaço?

Durante a gravidez, o corpo passa por muitas mudanças hormonais e físicas, o que pode levar à fadiga. Além disso, o crescimento do bebê demanda mais energia, resultando em cansaço. Também pode haver d

Grávida pode comer chocolate?

Comer chocolate é bom ou ruim durante a gravidez? Comer chocolate durante a gravidez é perfeitamente seguro, mas, claro, você deve apreciá-lo com moderação , prestando muita atenção aos níveis de cafe

Kommentare


Dra Marta Murteira.jpg
BOA FORMA NA GRAVIDEZ.png
bottom of page