top of page
  • Dra Flavia do Vale

Comer placenta faz bem?

Todos os nutrientes adquiridos por um bebê em desenvolvimento no útero são transferidos pela placenta.  Ela é composta por tecidos fetais e maternos. Do lado fetal, são formadas por células fetais que se organizam em vilosidades coriônicas, que contêm vasos sanguíneos fetais. No lado materno, há tecidos que fornecem suporte e nutrientes para o crescimento e desenvolvimento do feto. Estes tecidos se interconectam e permitem as trocas de substâncias entre o sangue materno e fetal. Logo, na verdade a placenta é um órgão, portanto, como outros tipos de carne de órgão (pense em fígado de pato, língua de vaca, pão doce), ela pode ser consumida.


Na verdade, comer placenta é um comportamento comumente encontrado na natureza: muitos animais, como veados e girafas, consomem sua placenta. Os humanos são, na verdade, o único mamífero que não come regularmente a placenta após o nascimento. Para os animais selvagens, era a forma que a mãe tinha de proteger a prole. Os jovens são sempre vulneráveis, e deixar a placenta de fora pode alertar os predadores de que há presas fáceis por perto


Comer a placenta após o parto (placentofagia) pode causar danos.


A preparação mais comum da placenta – a criação de uma cápsula – é feita vaporizando e desidratando a placenta ou processando a placenta crua. Algumas pessoas também podem comer a placenta crua, cozida ou misturadas com extratos e líquidos.

Essas preparações podem não  destruir completamente as bactérias e vírus infecciosos que a placenta pode conter. Se a placenta não tiver sido adequadamente aquecida durante a preparação, há um risco maior de acúmulo de bactérias. Alguns países já possuem programas nacional de treinamento em encapsulamento de placenta.


Dito isso, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) desaconselham a ingestão de placenta.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças emitiram um alerta contra o uso de cápsulas de placenta devido a um caso em que um recém-nascido desenvolveu estreptococo do grupo B (estreptococo do grupo B) depois que a mãe tomou pílulas de placenta contendo estreptococos do grupo B e amamentou seu recém-nascido.

Acredita-se que o leite materno da mãe esteja infectado por bactérias estreptocócicas do grupo B que ela adquiriu após comer a placenta infectada. O estreptococo do grupo B pode causar doenças graves em recém-nascidos.


Como o nascimento não é um processo estéril, as bactérias provenientes do processo de nascimento, incluindo bactérias fecais, podem contaminar a placenta e deixá-la doente. A vagina é um ecossistema com uma infinidade de bactérias e vírus. Além disso, o processo de parto às vezes pode ser prolongado e a infecção pode progredir das bactérias vaginais para a placenta. Se a placenta não for refrigerada e processada rapidamente, as bactérias podem se acumular e o órgão pode estragar. Nesse caso, o consumo cru definitivamente não é recomendado.


Não há evidências científicas sólidas que comprovem benefícios na ingestão da placenta. Alguns defensores da prática alegam que consumir a placenta após o parto pode ajudar na prevenção da depressão pós-parto, aumentar os níveis de energia ou repor nutrientes. No entanto, estudos até o momento não confirmaram esses benefícios, e a ingestão de placenta pode até representar riscos de contaminação por bactérias ou substâncias nocivas.


Os supostos benefícios para o bebê resultantes da mãe consumir a placenta ainda carecem de comprovação científica sólida. Algumas teorias sugerem que o consumo da placenta pela mãe pode ajudar na produção de leite materno, oferecer nutrientes adicionais ou influenciar positivamente o sistema imunológico do bebê. No entanto, até o momento, não há evidências confiáveis que respaldem tais alegações.


Os riscos associados à ingestão da placenta incluem possíveis contaminações por bactérias, vírus ou substâncias nocivas presentes no tecido placentário. Além disso, não existe uma regulamentação que garanta a segurança do processo de preparação e armazenamento da placenta para consumo. Contrair doenças infecciosas, reações alérgicas ou interferir na eficácia de medicamentos são também preocupações potenciais.


As contraindicações envolvem principalmente mulheres com infecções durante a gravidez, problemas de saúde específicos, histórico de distúrbios sanguíneos ou mulheres que tenham fumado, ingerido álcool, consumido drogas ou tido exposição a toxinas durante a gestação. Sem evidências sólidas de benefícios, é aconselhável discutir detalhadamente com um profissional de saúde antes de considerar o consumo da placenta.


Resumindo, embora algumas mães elogiem os benefícios de comer placenta, a ciência ainda não apoiou essas afirmações.


Em muitas sociedades, a placenta tem um significado espiritual. A placenta é o órgão mais importante na vida de uma pessoa porque ela não existiria sem ela. Diferentes culturas têm diferentes rituais para homenagear a placenta. Alguns o plantam cerimoniosamente perto de uma árvore. Outros o consomem. Uma moda recente é secá-lo e depois consumi-lo em cápsulas.

Posts recentes

Ver tudo

Sequestro pulmonar fetal

O sequestro pulmonar fetal é uma malformação congênita rara em que uma parte do tecido pulmonar não se conecta ao sistema respiratório normal e recebe suprimento sanguíneo de uma artéria anômala. Após

Por que grávida sente cansaço?

Durante a gravidez, o corpo passa por muitas mudanças hormonais e físicas, o que pode levar à fadiga. Além disso, o crescimento do bebê demanda mais energia, resultando em cansaço. Também pode haver d

Grávida pode comer chocolate?

Comer chocolate é bom ou ruim durante a gravidez? Comer chocolate durante a gravidez é perfeitamente seguro, mas, claro, você deve apreciá-lo com moderação , prestando muita atenção aos níveis de cafe

Comments


Dra Marta Murteira.jpg
BOA FORMA NA GRAVIDEZ.png
bottom of page